Controle de Processos

Notícias

Recebe Nossa Newsletter

Cadastre e fique por dentro de tudo o que acontece no universo jurídico.

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

Máx
29ºC
Min
18ºC
Predomínio de

Hoje - São Paulo, SP

Máx
31ºC
Min
19ºC
Predomínio de

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
29ºC
Min
24ºC
Predomínio de

Justiça condena dentista acusado de matar amigos em Niterói

O dentista Gilberto Ranhol Gomes, que em abril de 2018 abriu fogo contra os próprios amigos na volta de uma festa em São Francisco, em Niterói, foi condenado na terça-feira (9/11) a 9 anos e 4 meses de prisão. Nelson Marques Neto e Wagner Muniz acabaram mortos depois que Gilberto pegou a arma de um policial civil deixada no carro usado pelo grupo e, sem motivo aparente, passou a atirar na direção das vítimas.   A juíza que presidiu o júri, Nearis Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal da Comarca de Niterói, determinou ainda que o Ministério Público investigue a conduta de Carlos Eduardo de Freitas, então lotado na delegacia de Barra Mansa. Ele desembarcou do veículo para fazer flexões no meio da rua e deixou a pistola .40 para trás, possibilitando o ataque feito por Gilberto.   De acordo com a sentença, o réu, depois de ter acesso ao armamento e, sem qualquer tipo de motivação aparente, disparou contra os dois amigos.   “Na data dos fatos, este e seus amigos retornavam de uma festa, após fazerem uso de bebidas alcoólicas e drogas, e pararam na casa de um deles, ainda sob o efeito das referidas substâncias, quando o policial civil que estava no carro, também ‘alterado’ desembarcou para fazer flexões em plena via pública (vídeo constante do indexador 143), deixando sua arma de fogo no veículo. Como noticiado pelos policiais militares ouvidos, o réu, amigo de ambas as vítimas, não se encontrava em seu estado normal, mas totalmente ‘fora de si’, apático, e até mesmo afirmando ‘ouvir vozes’, sem, entretanto, se mostrar violento em qualquer momento. Ademais, não há qualquer notícia de discussão anterior ou desavenças entre os envolvidos, mas pelo contrário, todos eram amigos e estavam ‘tranquilos’ durante todo o tempo, de forma que a conduta do réu, que sequer se recorda do ocorrido, surpreendeu aos demais ocupantes do carro”, destacou a magistrada.    Processo nº 0055307-04.2018.8.19.0001 SV/MB
25/11/2021 (00:00)
Visitas no site:  2331594
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.